sábado, 14 de abril de 2018

Tinnitus: Ringing in the Brain | Josef Rauschecker | TEDxCharlottesville





Publicado em 23 de jan de 2017
In this talk Josef Rauschecker illuminates the science behind tinnitus as well as the current state of treatment options.

Josef Rauschecker has 35 years of experience in systems and cognitive neuroscience, more than 25 years of experience in animal electrophysiology, and upwards of 15 years of experience with functional magnetic resonance imaging (fMRI). At Georgetown University Medical Center, he helped create the first human fMRI research facility. He has also held visiting appointments at several institutions, including Harvard Medical School, and has been the recipient of a Humboldt Award and a Finland Distinguished Professorship.

This talk was given at a TEDx event using the TED conference format but independently organized by a local community. Learn more at http://ted.com/tedx

segunda-feira, 9 de abril de 2018

⭐️❤️10 alimentos que você deve evitar se sofre com dor nas articulações!





Publicado em 23 de fev de 2017
⭐️❤️10 alimentos que você deve evitar se sofre com dor nas articulações!
Veja nosso site https://www.querovermais.com

Muita gente sofre com dor nas articulações e isso acaba interferindo no desempenho das atividades cotidianas.
Quem consegue trabalhar e estudar com qualidade enquanto sente o desconforto causado por essas dores?
Além disso, quando a dor é crônica, geralmente há alteração no humor, o que prejudica bastante a relação social.
Se você sente dor nas articulações, talvez esteja sofrendo com gota ou artrite, que são as principais causas desse sintoma.
Mas o problema também pode ter origem em alguma lesão, ossos quebrados, distensões, lúpus, leucemia, fibromialgia ou bursite.
Infelizmente, alguns desses problemas são realmente muito difíceis de serem suportados.
A boa notícia é que podem também ser tratados com exercícios adequados e com a ajuda da medicina alternativa.
Alho, açafrão e gengibre são bons antibióticos naturais.
Mas há muitas outras opções naturezas que inibem a dor.
Mas, antes de tudo, é preciso evitar estes dez alimentos:
1. Carnes processadas industrializadas (salsicha, presunto, mortadela, bacon).
Elas possuem substâncias químicas, incluindo purinas e nitritos que aumentam a intesidade da inflamação no corpo.
Se você não sabe, essa carnes industrializadas são muito tóxicas e estão ligadas ao câncer.
Portanto, procure substituí-las por frutas e vegetais frescos, caso esteja com alguma inflamação.
2. Açúcar refinado.
Este ingrediente aumenta a liberação de citocina, um agente inflamatório fortíssimo.
Além disso, como você já deve saber, o açúcar é responsável pelo aumento de peso, o que acaba pressionando as articulações e causando muitas dores.
O refrigerante, por exemplo, que é tão comum e oferecido irresponsavelmente às crianças, se for consumido com frequência, aumenta os sintomas da artrite reumatoide.
Evite também cereais, doces e tortas.
Uma boa alternativa é o uso do melaço, mel ou adoçantes naturais.
Se tiver que usar açúcar, fuja do refinado.
3. Lacticínios.
Graças ao alto nível de proteína caseína, os produtos lácteos intensificam a dor nas articulações.
Esta proteina irrita o tecido em torno das articulações.
Além disso, o leite e seus derivados contêm gorduras saturadas, que também aumentam a dor.
Se você sofre das articulações, evite leite pasteurizado e prefira leites vegetais, como o de amêndoas e o de gergelim.
4. Óleos refinados.
Eles são bastante inflamatórios e contribuem para o desenvolvimento de muitas doenças.
Por isso, você deve evitar o óleo de girassol, de soja, milho e canola, que, infelizmente, são os mais consumidos (por falta de informação).
A solução está no consumo de óleos ricos em substãncias anti-inflamatórias, como o de coco, linhaça, gergelim, abacate e azeite de oliva, desde que sejam prensados a frio.
Nesta condição, o óleo de girassol prensado a frio também é um bom produto.


5. Farinha refinada e grãos.
Estes ingredientes são agentes inflamatórios potentes que podem aumentar a dor nas articulações.
Eles possuem alto índice glicêmico.
E são deficientes em vitamina B e fibras, além de aumentarem o risco de doenças degenerativas, como diabetes, doenças cardíacas e câncer.
Substitua alimentos como massas, arroz branco, pão tubérculos como inhame e batata-doce.
6. Ovos.
Os ovos são um bom alimento.
Mas, se você tiver alguma inflamação, é bom dar uma segurada no consumo deles
Isso acontece porque a gema contém ácido araquidônico, que produz agentes inflamatórios.
Além disso, ela possui muita gordura saturada, o que é ruim para inflamações.
Coma apenas a clara se estiver enfrentando algum processo inflamatório no seu corpo.
7. Glúten.
Também é um alimento inflamatório, piorando os quadros de dor e inflamação.
Diminua o consumo de alimentos com essa substância.
8. Sal de cozinha.
Se você sofre com dores nas articulações, fuja do sal comum– ele desequilibra os fluidos corporais.
Além disso, ele não contém minerais como fósforo, magnésio e silício – supernecessários para o bom funcionamento do corpo.
Subsitua o sal de cozinha pelo do Himalaia ou sal de guérande e garanta a boa absorção do cálcio pelos ossos, evitando, assim, fraturas e osteoporose.
9. Alimentos com glutamato monossódico.
É um aditivo alimentar que tem a função de reforçar o sabor de alimentos congelados, como batata frita, comida chinesa , sopas e molhos para salada compradas em supermercados.
A ideia é boa, mas o resultado no corpo é péssimo: causa dores e inflamações no corpo, especialmente nas articulações.
Este tipo artificial de aditivo é especialmente prejudicial para aqueles que sofrem de fibromialgia e artrite reumatóide.
Procure comer alimentos frescos, preparados em casa, porque a maioria dos alimentos congelados e embalados contém esse tipo de aditivo artificial.

REUMATISMO TEM CURA? | Reumatocare







Publicado em 28 de fev de 2018
Oi, pessoal! No vídeo dessa semana eu, Dra. Fernanda Maria Borghi, especialista em Reumatologia, explico um pouco mais sobre o que é o Reumatismo e as suas possibilidades de tratamento.

Vamos conhecer um pouco mais a fundo sobre os timos de reumatismo, suas doenças, os tratamentos mais comuns e as novidades da evolução da medicina.

É importante lembrar que se você esta buscado esse tratamento você deve consultar um médico especialista!

​Dúvidas sobre o assunto você pode deixar nos comentários, e se você conhece alguém que irá aproveitar esse conteúdo, não deixe de compartilhar.
Inscreva-se no canal e curta o vídeo!

Até a próxima!

Nos acompanhem por aqui também:
Site: http://bit.ly/ReumatocareSite
Facebook: https://www.facebook.com/ReumatoCare/

VOCÊ SABE O QUE É REUMATISMO?





Publicado em 20 de abr de 2017
VOCÊ SABE O QUE É REUMATISMO?
A palavra reumatismo vem do grego rheuma (humor, fluÍdo) e significa líquido fluindo para as articulações. O conceito ampliou posteriormente para inflamações também em tendões, músculos e ligamentos, de origem não traumática. Além dessas estruturas do organismo, um grande número de doenças pode atacar a pele e órgãos internos do corpo humano, caracterizado de reumatismos de acometimento sistêmico ou generalizado.
BAIXE E-BOOK GRATUITO CLICANDO NO LINK A SEGUIR: http://bit.ly/JovemDepoisDos40-Ebook01

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL: https://www.youtube.com/jovemdepoisdos40

Fonte: http://www.menshealth.com.pt/

COMENTÁRIOS • 8

terça-feira, 3 de abril de 2018

Pulsação normal para homens

Pulsação normal para homens: A pulsação normal de descanso para os homens pode ser entre 60-100 batimentos por minuto. Este artigo vai lhe dar mais informações sobre ele.

Taxa de pulsação normal para as Mulheres

Taxa de pulsação normal para as Mulheres: A taxa de pulso ou o ritmo cardíaco é definida como a taxa ou o número de batimentos cardíacos, medida em unidades de tempo específico. A seguir é apresentado informações sobre a taxa de pulso saudável para as mulheres em repouso, quando envolvidos em atividade extenuante, durante a gravidez, etc

domingo, 25 de março de 2018

OS MELHORES BENEFÍCIOS DO GINKGO BILOBA !!!!!





Acesse o Blog - http://bit.ly/SaudeBemestar126
Acesse o Blog - http://bit.ly/SaudeBemestar126
Acesse o Blog - http://bit.ly/SaudeBemestar126
========================================
=====================================================
Minha Página no Facebook - http://bit.ly/facedivgan
=====================================================
Mais Sobre o Tema - https://goo.gl/c4hQtY
=====================================================

O Ginkgo biloba melhora a circulação e a memória

Planta também contribui para o controle da pressão
arterial e previne a trombose

O ginkgo biloba é o nome de uma árvore que conta
com folhas de onde são extraídos seus princípios ativos benéficos.
O ginkgo biloba se destaca principalmente por melhorar
a circulação sanguínea. 


Nutrientes do ginkgo biloba

Os principais nutrientes presentes no ginkgo biloba são os
terpenóides e os bioflavonóides. Ambas as substâncias
possuem ação antioxidante e por isso são benéficas em
todas as doenças onde a oxidação é intensa, por exemplo,
elas vão reduzir a velocidade de envelhecimento do cérebro. 


Pesquisas também apontaram o ginkgo biloba contribui
para a dilatação dos vasos sanguíneos, mas não se sabe
se é a combinação entre terpenóides e bioflavonóides
que proporciona isso ou se apenas um deles. 


Benefícios em estudo do ginkgo biloba

Diminui o risco de formação de trombos: As plaquetas
são partículas dentro do sangue responsáveis pela coagulação
sanguínea. A coagulação é essencial para o nosso corpo,
contudo em alguns casos podem ocorrer agregações plaquetárias

muito intensas e assim aumentar os riscos de doenças
como trombose, derrames e ataques cardíacos.
O ginkgo biloba age evitando a agregação intensa
das plaquetas e assim reduz os riscos das pessoas
desenvolverem as doenças que ocorrem em decorrência. 

Controla a pressão arterial: O ginkgo biloba estimula a produção
do óxido nítrico que tem ação vasodilatadora e assim é benéfico
para quem possui pressão alta. 

Melhora a circulação: Por ter a ação vasodilataroda, o
ginkgo biloba irá melhorar toda a circulação no organismo,
inclusive para o coração e o cérebro. 

Melhora a concentração e a memória: Os neurônios precisam
produzir uma substância para que o cérebro fique ativo, a acetilcolina.
Para que essa substância se forme, a colina precisa entrar dentro
dos neurônios.

O ginkgo biloba age facilitando a entrada da colina
na acetilcolina. Assim, pesquisas apontam que o
ginkgo biloba ajuda a melhorar a memória e a
atenção em pacientes idosos. 

Melhora a circulação sanguínea no cérebro: Por contribuir para a
melhor circulação em todo o organismo, o fluxo de sangue para
o cérebro também ficará maior. Assim, o ginkgo biloba pode
ajudar em casos leves de labirintite e quando a pessoa sente tontura. 

Quantidade recomendada

A orientação é ingerir de 80 a 240 mg de ginkgo biloba por dia,
sendo que os principais benefícios foram constatados quando
a pessoa ingere 240 mg em três porções de 80 mg por dia. 

ESPERO TER AJUDADO , UM GRANDE BEIJO E ATÉ MAIS


ESTE VÍDEO É UM OFERECIMENTO DE NATUE VIVENDO COM EQUILIBRIO

ACESSE AGORA MESMO A PÁGINA DA NATUE VIVENDO COM EQULIBRIO

O LINK DE ACESSO ESTÁ ABAIXO NA DESCRIÇÃO DO VÍDEO

OS MELHORES BENEFÍCIO DO GINKGO BILOBA
OS MELHORES BENEFÍCIO DO GINKGO BILOBA
OS MELHORES BENEFÍCIO DO GINKGO BILOBA


https://youtu.be/TGmK_0R8TnI


Ginkgo biloba - fonte Wikipédia


Como ler uma infocaixa de taxonomiaGinkgo biloba
Ginkgo biloba

Ginkgo biloba
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo (IUCN 2.3)
Classificação científica
Reino:Plantae
Divisão:Ginkgophyta
Classe:Ginkgoopsida
Ordem:Ginkgoales
Família:Ginkgoaceae
Género:Ginkgo
Espécie:Ginkgo biloba
Nome binomial
Gingko biloba
L., 1771
Sinónimos
  • Pterophyllus salisburiensis
    Nelson, 1866
  • Salisburia adiantifolia
    Smith, 1797
Wikispecies
Wikispecies tem informações sobre: Ginkgo biloba
Ginkgo biloba, de origem chinesa, é uma árvore considerada um fóssil vivo, pois existia já no tempo dos dinossauros, há mais de 150 milhões de anos. É símbolo de paz e longevidade por ter sobrevivido às explosões atômicas no Japão.
Árvores de ginkgo na Bélgica
Ginkgo biloba - MHNT
Foi descrita pela primeira vez pelo médico alemão Engelbert Kaempfer por volta de 1690, mas só despertou o interesse de pesquisadores após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando perceberam que a planta tinha sobrevivido à radiação em Hiroshima, brotando no solo da cidade devastada. Suas folhas têm sido frequentemente usadas no combate aos radicais livres e como auxiliar da oxigenação cerebral.
São árvores caducas, isto é, que perdem todas as folhas no inverno. Atingem uma altura de 20 a 35 metros (algumas espécies, na China, chegam a atingir os 50 metros). Foram, durante muito tempo, consideradas extintasno meio natural, mas, posteriormente verificou-se que duas pequenas zonas na província de Zhejiang, na República Popular da China, albergavam exemplares da espécie. Hoje, a planta existe em praticamente todos os continentes e no Brasil há exemplares produzidos de sementes.
Goethe, famoso cientista, filósofo, poeta e botânico alemão, escreveu um poema sobre ele em 1815 falando da unidade-dualidade simbolizada na folha do ginkgo.
Nomes popularesnogueira-do-japãoárvore-avenca ou, simplesmente, ginkgo.

Significado[editar | editar código-fonte]

A palavra ginkgo tem origem chinesa (ginkyo: 銀杏), significando "damascoprateado". A palavra biloba vem do formato bilobado das folhas.

Uso farmacológico[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que o Ginkgo seja um nootrópico, sendo usado principalmente como intensificador de memória,[1] de atenção e contra vertigem. O maior e mais longo teste clínico independente, conduzido pelo Periódico da Associação Médica Americana para avaliar o Ginkgo biloba, publicou o resultado em 2008 de que o suplemento não reduz a incidência de demência de quaisquer causas ou de Alzheimer em adultos, de 75 anos ou mais, que tinham cognição normal ou mínimo déficit cognitivo, quando administrado duas vezes por dia em doses de 120 mg do extrato de "G. biloba".[2][3]
Entretanto, um teste similar, publicado em 2010 pelo Periódico Internacional de Psiquiatria Geriátrica, concluiu que a mesma formulação de extrato do G. biloba(EGb761), quando administrada como uma única dose de 240 mg diariamente, se mostrou significativamente superior ao placebo no tratamento de pacientes com demência com sintomas neuropsiquiátricos.[4]
De acordo com alguns estudos, o Ginkgo pode melhorar significativamente a atenção e indivíduos saudáveis.[5][6] Em um desses estudos, o efeito foi quase imediato e chegou ao seu pico em 2 horas e meia depois da administração.[7]
Em 2007, uma análise sistemática avaliou criticamente os dados sobre os testes com o Ginkgo, usando a literatura disponível até 2007, de qualquer idioma. A análise apontou falhas metodológicas em vários estudos. Aponta que, enquanto alguns estudos mostraram resultados positivos agudos com doses particulares, estes resultados não foram reproduzidos ou foram diretamente contraditos por outros estudos. Afirma que a evidência disponível de estudos de longo-prazo é altamente negativa, que apenas um de 5 estudos agudos mostra resultados positivos e apenas um de 6 estudos de longo-prazo mostrou algum resultado positivo significante. [8]
Um estudo sugere que o efeito do Ginkgo sobre a cognição pode ser atribuído ao seu efeito inibitório na recaptação da noradrenalina.[9]
Uma análise mais recente, de 2012, da literatura disponível, não deu razão para mudar as conclusões antigas. Afirma que não há evidência convincente de que ginkgo seja efetivo para deficit cognitivo ou demência, derrame isquêmico agudo, claudicação intermitente ou zumbido. Ainda há falta de evidência conclusiva do efeito sobre a degeneração macular em idosos. O extrato da folha do Ginkgo parece ser seguro de usar, sem excesso de efeitos colaterais em comparação com o placebo. Pode causar efeitos colaterais mínimos como irritação estomacal, dor de cabeça, tontura, constipação e reações dermatológicas alérgicas. Ainda há preocupação de que o extrato da folha possa aumentar o risco de sangramento e de que possa interagir com anticoagulantes. Como precaução geral, recomenda-se abster-se do ginkgo por pelo menos duas semanas antes de cirurgias.[10]

Referências

  1. Ir para cima Mahadevan, S.; Park, Y. (2007). «Multifaceted Therapeutic Benefits of Ginkgo biloba L.: Chemistry, Efficacy, Safety, and Uses». Journal of Food Science73 (1): R14–9. PMID 18211362doi:10.1111/j.1750-3841.2007.00597.x
  2. Ir para cima DeKosky, Steven T.; Williamson, Jeff D.; Fitzpatrick, Annette L.; Kronmal, R. A.; Ives, D. G.; Saxton, J. A.; Lopez, O. L.; Burke, G.; Carlson, M. C. (2008). «Ginkgo biloba for Prevention of Dementia». The Journal of the American Medical Association300 (19): 2253–2262. PMID 19017911doi:10.1001/jama.2008.683
  3. Ir para cima Rabin, Roni Caryn (18 de novembro de 2008). «Ginkgo biloba Ineffective Against Dementia, Researchers Find»The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2009
  4. Ir para cima Ihl R, Bachinskaya N, Korczyn AD, Vakhapova V, Tribanek M, Hoerr R, Napryeyenko O (2010). «Efficacy and safety of a once-daily formulation of Ginkgo biloba extract EGb 761 in dementia with neuropsychiatric features: a randomized controlled trial». Int J Geriatr Psychiatry: n/a. PMID 21140383doi:10.1002/gps.2662
  5. Ir para cima Elsabagh, Sarah; Hartley, David E.; Ali, Osama; Williamson, Elizabeth M.; File, Sandra E. (2005). «Differential cognitive effects of Ginkgo biloba after acute and chronic treatment in healthy young volunteers». Psychopharmacology179 (2): 437–46. PMID 15739076doi:10.1007/s00213-005-2206-6
  6. Ir para cima BBC News: Herbal remedies "boost brain power"
  7. Ir para cima Kennedy, David O.; Scholey, Andrew B.; Wesnes, Keith A. (2000). «The dose-dependent cognitive effects of acute administration of Ginkgo biloba to healthy young volunteers». Psychopharmacology151 (4): 416–23. PMID 11026748doi:10.1007/s002130000501
  8. Ir para cima «Ginkgo biloba is not a smart drug: an updated systematic review of randomised clinical trials testing the nootropic effects of G. biloba extracts in healthy people». Human Psychopharmacology: Clinical and Experimental22 (5): 265–278. 2007. PMID 17480002
  9. Ir para cima Fehske, Christian J.; Leuner, Kristina; Müller, Walter E. (2009). «Ginkgo biloba extract (EGb761®) influences monoaminergic neurotransmission via inhibition of NE uptake, but not MAO activity after chronic treatment». Pharmacological Research60 (1): 68–73. PMID 19427589doi:10.1016/j.phrs.2009.02.012
  10. Ir para cima «[Ginkgo biloba - effect, adverse events and drug interaction]». Norwegian Medical Association. 2012. PMID 22562327doi:10.4045/tidsskr.11.0780

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
Commons possui imagens e outras mídias sobre Ginkgo biloba